Home Home

Impedanciometria

Emissões otoacústicas (teste da orelhinha)

emissões otoacústicas (teste da orelhinha)

Processamento Auditivo Central

O PAC é o conjunto de habilidades auditivas necessárias para que o indivíduo compreenda a mensagem. É a interpretação que o cérebro faz do som ouvido.

Os processamentos auditivos centrais, são processos que necessitam de um bom funcionamento das estruturas do sistema nervoso central. Um simples distúrbio leva a criança a não conseguir interpretar o som, já que essa interpretação depende das habilidades auditivas organizadas e estruturadas. Estas etapas são: detecção do som, discriminação do som, reconhecimento, localização da fonte sonora e compreensão do som. Todos ligados às funções cerebrais, como: atenção e memória.

Audiometria Vocal

Através da Audiometria Vocal verifica-se a resposta obtida na Audiometria Tonal Limiar se está realmente correta, descartando a possibilidade de Simulação de Resposta por parte do paciente.
Este procedimento, que mede a discriminação auditiva de palavras, pode auxiliar na seleção, avaliação e adaptação de próteses auditivas e, ainda, avaliar a eficácia de diferentes tipos de tratamento clínico e cirúrgico.

Audiometria Ocupacional

Já é mais que sabido que os efeitos danosos provocados pelo ruído vão muito além das perdas auditivas. Hoje, na literatura especializada, são creditados ao ruído inúmeros distúrbios provocados ao homem, tais como: alterações do aparelho digestivo, alterações cardiovasculares, problemas de ordem sexual e mudança de comportamento social. Todos esses efeitos não auditivos atuam sobre os trabalhadores durante a sua jornada de trabalho e interferem no seu desempenho profissional, o que acaba comprometendo o rendimento dos funcionários e logo interfere no faturamento da empresa.

Audiometria Infantil

AUDIOMETRIA COMPORTAMENTAL

Para o desenvolvimento da fala e da linguagem da criança o papel da audição é fundamental. Estudos comprovam que a detecção de alterações auditivas e a intervenção iniciada até os 6 meses de idade, garantem um desenvolvimento comparável com crianças normais, de mesma faixa etária que não tiveram nenhuma alteração auditiva. Daí a importância da detecção e intervenção ainda nos primeiros meses de vida!

Esse tipo de audiometria como o próprio nome já diz, avalia o comportamento da criança frente ao estimulo auditivo. É usado para crianças de 0 a 2 anos de idade ou crianças com outros comprometimentos associados.

AUDIOMETRIA INFANTIL CONDICIONADA

Para o desenvolvimento da fala e da linguagem da criança o papel da audição é fundamental. Estudos comprovam que a detecção de alterações auditivas e a intervenção iniciada até os 6 meses de idade, garantem um desenvolvimento comparável com crianças normais, de mesma faixa etária que não tiveram nenhuma alteração auditiva. Daí a importância da detecção e intervenção ainda nos primeiros meses de vida.

Previous
Próximo